Sexta, 20 de Outubro de 2017

NOTÍCIAS

Maria da Sopa e Iracema da Saau são as mais novas cidadãs honorárias de Umuarama

09/10/17
Elas nasceram na mesma década e em comum possuem também o sentimento de dever para com a coletividade. Nascida em 05 de abril de 1934, Maria do Carmo da Silva, a Dona Maria da Sopa, como é conhecida pela sociedade umuaramense, dedicou sua vida e suas economias em prol de garantir comida aos menos necessitados. Por outro lado, Iracema Prado Drumont, nascida em 02 de fevereiro de 1935, e é uma batalhadora incansável na luta pela proteção dos animais de rua.
 
Figuras atuantes na sociedade, o que também lhes conferiu o respeito de toda a comunidade, na última sexta-feira as duas guerreiras foram congratuladas com mais um reconhecimento público por conta de seus atos. A Câmara Municipal de Umuarama efetuou a entrega oficial do titulo de Cidadã Honorária a Maria do Carmo e Iracema Drumont. A maior honraria que o Poder Legislativo Municipal pode conceder a uma pessoa.
 
A solenidade, realizada no plenário da Casa Legislativa, contou com a presença de autoridades, membros de entidades representativas, do prefeito Celso Pozzobom e do Vice-Prefeito, Hermes Pimentel, ele que também é o autor de ambas as proposituras, as quais tramitaram e foram aprovadas em 2012, ano em que Pimentel ocupava uma cadeira no Legislativo Municipal. Familiares e amigos das tituladas também se fizeram presente.
 
Ao fazer uso da Palavra, a presidente da Câmara, Maria Ornelas, endossou a importante atuação das homenageadas em sua trajetória. Ornelas comparou o trabalho de Maria do Carmo e Iracema Drumont, ao de São Francisco de Assis. “Na trajetória de vida, essas valorosas cidadãs honorárias desapegaram-se do próprio eu para dedicarem-se a sua maneira ao trabalho voluntário e o exercício do amor incondicional”, endossou a presidente.
 
Por sua vez, Hermes Pimentel discursou salientando sua satisfação em poder acompanhar o reconhecimento público de um trabalho que já tem o respeito e admiração da sociedade há vários anos.
 
Admirador de ambas as homenageadas, o Prefeito Celso Pozzobom relembrou de quando conheceu ambas as figuras, salientando que sempre viu com encantamento o desempenho de ambas por suas causas. São ações que de acordo com o prefeito, colaboram e muito para a promoção de uma sociedade mais justa e igualitária.
 
Humildes, ao fazerem uso da palavra após terem sido tituladas oficialmente, as homenageadas falaram pouco de si. Usaram sua explanação para pedir que mais pessoas colaborem com o trabalho das associações Saau e da Vida e Solidariedade, a primeira fundada por dona Iracema e a segunda por Dona Maria da Sopa, no sentido de continuar garantindo comida aos mais necessitados e cuidados aos animais indefesos.
 
 
CURRÍCULO DAS HOMENAGEADAS
 
MARIA DO CARMO DA SILVA
  
 
Nasceu em Leopoldina-Minas Gerais, em 05 de abril de 1934, Filha de Manoel Laurindo dos Santos e Nolinia Cezario dos Santos. Em 1945 mudou-se para Bandeirantes, no Paraná, onde trabalhou como lavadeira. Treze anos mais tarde, casou-se com Genésio Vitor da Silva com quem teve 06 filhos. Ela também tem outros quatro filhos adotivos, quatro noras, cinco genros, dezesseis netos e oito bisnetos. Um ano depois, em 1959, fixou residência em Umuarama como trabalhadora em uma fazenda de café. Em 1993, foi morar no Parque Industrial, localidade que reside até hoje, e, lugar onde também fortaleceu sua iniciativa em colaborar com o próximo, principalmente garantindo comida aos menos favorecidos. Três anos depois, o marido morre em acidente automobilístico, o que lhe tirou as forças, mas não o anseio de continuar ajudando aos mais necessitados. Um ano depois, iniciou o trabalho social no Parque Industrial, região muito carente da cidade.
 
Dona Maria sempre sofreu com o sofrimento dos outros. Vendo as pessoas passarem fome, principalmente às crianças que não tinham pai, alguns com pai preso e mãe alcoólatra, chegando inclusive a trocar comida por bebida. Enxergando esta Realidade, Dona Maria concluiu que a solução seria servir comida pronta. Começou a fazer sopa com seu próprio dinheiro da aposentadoria, mesmo tendo que passara por muitas dificuldades, já que gastava praticamente todo o dinheiro com esta ação. No entanto, seu trabalho foi ganhando projeção e outras pessoas passaram a acreditar na ideia, vindo a colaborar com a iniciativa.
 
O ano de 2003 marca um importante avanço na empreita de Dona Maria da Sopa. Foi o ano que ele fundou a Associação Vida e Solidariedade, entidade voltada ao trabalho de organiza, assistir e resgatar a cidadania e dignidade das famílias do Parque Industrial e Arco Íris, sem distinção de sexo, raça, cor ou classe social. Pela importância do projeto, a Prefeitura Municipal, demais entidades públicas e privadas e a comunidade têm colaborado desde então para que este importante trabalho nunca acabe.
 
    
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
IRACEMA PRADO DRUMONT
 
Nasceu em 02 de fevereiro de 1935, filha de Adolfo Prado e Estela Rosaria Prado. Em 1938 mudou-se para a cidade de Cerqueira Cezar-SP, onde passou toda a infância e juventude. No ano de 1950 iniciou os estudos de curso normal, tendo se casado com Adalberto Drumont, com quem teve 3 filhos, tendo hoje 7 netos e uma bisneta. Em 1953. Dois anos depois, em 1955, iniciou o curso de economia doméstica e técnica comercial, e, 1960 começou a cursar Educação Artística na Universidade de Ribeirão Preto-SP. A vinda para Umuarama se deu em 1977, quando mudou-se com a família para a Capital da Amizade. Um ano depois, iniciou o curso de Desenho Geométrico na Faculdade Presidente Prudente/SP. No mesmo ano, presta concurso para professora do Estado do Paraná, tendo sido aprovada, passando a lecionar em todos os colégios estaduais de Umuarama, carreira que seguiu até se aposentar no Colégio José Balan.
 
Em meio a vida pessoal e profissional, Dona Iracema sempre foi apaixonada por bichos e uma protetora contundente dos animais. Desde que chegou a Umuarama, recolhia e dava abrigo aos animais de rua, numa época em que prefeitura recolhia os cachorros da rua e os depositava em um único local, sem água nem comida, sendo posteriormente sacrificados. Era uma verdadeira BARBÁRIE. Por conta disso, sua luta ganhou ainda mais força em 1997, ano de fundação da SAAU – Sociedade de Amparo aos Animais de Umuarama, entidade qual ela presidiu por vários anos, e, que acabou por lhe dar um novo sobrenome, já que muitos tratam Iracema como Dona Iracema da Saau. Em 2011, foi congratulada com o prêmio Mulher de Ouro, honraria concedida a personalidades de maior relevância na sociedade. Hoje, a titulação a ser conferida a Dona Iracema e Dona Maria da Sopa, mais que um reconhecimento, é uma um dever de todo e qualquer umuaramense. São personalidades ímpares, que não se aquietam com as injustiças, estando sempre pronta a estender a mão aos mais necessitados.